Blog

Conheça a LEI 9.249/95, combinado com a Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal 11/1996, que rege a dedução de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica via doação à OSCIP.

EMPRESAS PARCERIAS DO IEP

As empresas (Pessoas jurídicas) podem fazer doações utilizando incentivos às entidades sem fins lucrativos de utilidade pública ou às qualificadas como OSCIPs (Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público) que prestem serviços gratuitos em beneficio de seus empregados ou da comunidade onde atuem, aproveitando-se de incentivo fiscal concedido nos termos da legislação em vigor.

As empresas parceiras do Instituto de Educação Portal – IEP podem deduzir do seu imposto de renda o valor do investimento realizado na contratação de aprendizes, treinamentos, PCDs e demais contribuições para realização de eventos junto ao IEP. O procedimento segue as diretrizes da Receita Federal, valendo ressaltar que para a dedução a empresa deve ser optante pelo lucro real, bem como a doação tem o limite de 2% do mesmo. Para a efetivação da dedução o IEP emitirá ao final do ano uma declaração nos moldes fornecidos pela Receita Federal devidamente assinada por seu presidente trazendo o levantamento de todas as doações realizadas durante o ano para efetivação do cálculo.

Para o procedimento de dedução no Imposto de Renda, o Instituto de Educação Portal presta assistência aos seus sócios contribuintes via seu setor financeiro bem como por meio da Controller Contabilidade, empresa parceira do Instituto com mais de 24 anos de atividade no Estado do Ceará.

LEGISLAÇÃO VIGENTE

Artigo 13, da Lei 9.249/95, combinado com a Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal 11/1996;

  • Art. 13. Para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro líquido, são vedadas as seguintes deduções, independentemente do disposto no art. 47 da Lei nº 4.506, de 30 de novembro de 1964:VI - das doações, exceto as referidas no § 2º;

§2º Poderão ser deduzidas as seguintes doações:

III - as doações, até o limite de dois por cento do lucro operacional da pessoa jurídica, antes de computada a sua dedução, efetuadas a entidades civis, legalmente constituídas no Brasil, sem fins lucrativos, que prestem serviços gratuitos em benefício de empregados da pessoa jurídica doadora, e respectivos dependentes, ou em benefício da comunidade onde atuem observadas as seguintes regras:

a) as doações, quando em dinheiro, serão feitas mediante crédito em conta corrente bancária diretamente em nome da entidade beneficiária;

b) a pessoa jurídica doadora manterá em arquivo, à disposição da fiscalização, declaração, segundo modelo aprovado pela Secretaria da Receita Federal, fornecida pela entidade beneficiária, em que esta se compromete a aplicar integralmente os recursos recebidos na realização de seus objetivos sociais, com identificação da pessoa física responsável pelo seu cumprimento, e a não distribuir lucros, bonificações ou vantagens a dirigentes, mantenedores ou associados, sob nenhuma forma ou pretexto;

c) “a entidade civil beneficiária deverá ser reconhecida de utilidade pública por ato formal de órgão competente da União”.

INSTRUÇÃO NORMATIVA 11/1996

Art. 28. Para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro é vedada a dedução das despesas com doações e contribuições não compulsórias.

§ 1º A vedação de que trata este artigo não se aplica, exclusivamente, em relação às:

3. As entidades civis, legalmente constituídas no Brasil, sem fins lucrativos, que prestem serviços gratuitos em benefício de empregados da pessoa jurídica doadora, e respectivos dependentes, ou em benefício da comunidade onde atuem, até o limite de dois por cento do lucro operacional, antes de computada a sua dedução, observado o disposto no § 3º.

Artigo 59, da Medida Provisória 2.158-35, de 24 de agosto de 2001.

Art. 59. Poderá, também, ser beneficiário de doações, nos termos e condições estabelecidos pelo inciso III do § 2º do art. 13 da Lei nº 9.249, de 1995, as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP qualificadas segundo as normas estabelecidas na Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999. § 1º O disposto neste artigo aplica-se em relação às doações efetuadas a partir do ano-calendário de 2001.§ 2º Às entidades referidas neste artigo não se aplica a exigência estabelecida na Lei nº 9.249, de 1995, art. 13, § 2º, inciso III, alínea “c”. É preciso destacar que a legislação em vigor concede incentivos fiscais para doação às organizações do terceiro setor (OSCIPs), unicamente para empresas que são tributadas com base no lucro real. Com relação ao limite da dedução, a lei prevê a dedução integral do valor das doações como despesa operacional, até o limite de 2% do lucro operacional bruto. Assim, não há uma dedução do imposto de renda a ser pago, mas uma dedução da base de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o lucro. Para fazer uso da dedução, as pessoas jurídicas devem, nos casos de doação em dinheiro, fazê-las por depósito bancário e arquivar o recibo do depósito bancário. Devem, também, solicitar o recibo da entidade donatária, com seus dados e da entidade. Para fins de fiscalização, a pessoa jurídica doadora deve manter em seu arquivo declaração fornecida pela entidade beneficiária, conforme modelo aprovado pela Receita Federal, através da Instrução Normativa 87/1996, cujo texto se anexa, mas que pode ser encontrada no site www.Receita.fazenda.gov.br. A própria Receita Federal, ao divulgar em seu site na Internet, reconhece a dedutibilidade de tais doações, deixando claro, ao responder a Pergunta 344 o seguinte:

“344. Quais as despesas operacionais que a legislação fiscal considera como indedutíveis para fins de apuração do lucro real”?

f) de doações, exceto se efetuadas em favor: do Pronac (Lei no 8.313, de 1991); instituições de ensino e pesquisa cuja criação tenha sido autorizada por lei federal, sem finalidade lucrativa (limitada a 1,5% do lucro operacional); de entidades civis sem fins lucrativos legalmente constituídos no Brasil que prestem serviços em benefício de empregados da pessoa jurídica doadora e respectiva dependente, ou em benefício da comunidade onde atuem (limitada a 2% do lucro operacional). A partir de 2001, incluem-se também como dedutíveis as doações efetuadas às Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP, qualificadas segundo as normas estabelecidas na Lei no 9.790, de 1999 (MP no 2.158-35, de 2001, art. 59);” O entendimento da Receita Federal pode ser confirmado no seguinte site: www.receita.fazenda.gov.br/PessoalJuridica/DIPJ2003/PergResp2003/pr338a350.htm. Em vista do exposto, podemos afirmar que as doações efetuadas a entidades enquadradas como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) é perfeitamente legal e dedutível para o efeito da apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social Sobre o Lucro, até o limite de 2% sobre o lucro operacional.

INSTRUÇÃO NORMATIVA 87/1996 (DOU de 03/01/1996)

Aprova modelo de declaração, a ser prestada pelas entidades civis, de responsabilidade na aplicação integral dos recursos, recebidos mediante doação nos termos do art. 13, § 2º, inciso III, da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso e suas atribuições e tendo em vista as disposições da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, resolve:

>> Art. 1º Aprovar o modelo anexo de declaração, a serem prestadas pelas entidades civis, legalmente constituídas no Brasil, sem fins lucrativos, quando do recebimento de recursos sob forma de doação, nos termos do art. 13, § 2º, inciso III, alíneas “a”, “b” e “c”, da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995.

>> Art. 2º A falsidade na prestação das informações contidas na declaração constitui crime na forma do art. 299 do Código Penal, e também crime contra a ordem tributária na forma do art. 1º da Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990.

>> Art. 3º A pessoa jurídica doadora deverá manter em arquivo, à disposição da fiscalização, a declaração firmada com base nesta Instrução Normativa.

>> Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 1º de janeiro de 1997.

EXEMPLO DE DEDUÇÃO

LUCRO REAL DA EMPRESA PARCEIRA NO ANO --------------------------------------R$ 100.000,00

VALOR POSSÍVEL DE DEDUÇÃO ---------------------------------------------------------R$ 2.000,00

Nessa situação a empresa parceria poderá abater até o limite de R$ 2.000,00 de seu IRPJ utilizando para tanto a declaração emitida pelo instituto de educação portal – IEP com o levantamento dos valores referentes à contratação de jovens aprendizes, treinamentos, PCDs ou demais contribuições para eventos

Sede Pacajus: (85) 3348-0120
Núcleo Fortaleza: (85) 3104-3302
Núcleo Eusébio: (85) 3260-5465
Núcleo Maracanaú: (85) 3382-1007
Núcleo Caucaia: (85) 3342-3008
Núcleo Morada Nova: (88) 99218-7073
E-mail: contato@portaliep.com
©2007 - 2020 Instituto de Educação Portal